Banners

quinta-feira, 6 de janeiro de 2000

TXT Quadrinhos


Por Danilo Beyruth

Quando comecei a fazer quadrinhos uns anos atrás, sempre que tinha dúvidas recorria ao pessoal da comunidade que gira em torno da produção de HQs aqui em SP, e todo mundo era super solícito, me ajudava muito, dava dicas e respondia minhas inúmeras perguntas.

Mas tem sempre um ou outro que, apesar das boas intenções, às vezes acha que sabe a única fórmula existente para o sucesso.

Pra dar um exemplo de como não acredito numa única fórmula de sucesso, resolvi analisar as diferenças entre dois quadrinistas importantes, diferenças não só de estilo, mas de carreira e abordagem. Pra mim são o Elvis e o Chuck Berry dos quadrinhos que, apesar de abordagens completamente diferentes, deixaram uma influência clara no trabalho de muitos dos grandes autores de hoje. Estou falando de Alexander Toth e Jack Kirby.

Toth era técnica.

Aos 15 anos, começou a trabalhar com desenho, sua ambição era a de fazer tiras de jornal (do tipo serializado, com uma história contínua) como os mestres Milton Caniff, Alex Raymond e Hal Foster. Mas com o tempo seu trabalho foi tomando outra direção: histórias em quadrinhos propriamente ditas e storyboards e concept art para as animações da Hanna-Barbera.

Toth foi o Bruce Timm (o cabeça pensante por trás da série Batman Adventures, que influencia até hoje TUDO que a DC faz de animação) de seu tempo. Para quem assistia tv no começo dos anos 80, Toth era uma presença invisível na sala de estar: Super Amigos, Space Gost, Sealab2020, Fantastic Four (baseado no trabalho de Jack Kirby), Herculóides. Se vc estava sentado na frente de uma TV, estava sob a influência do trabalho dele, e não era por nada. O trabalho de Toth se prestava tanto à animação, quanto aos quadrinhos, porque mesmo quando fazia quadrinhos Toth era econômico, sintético e eficiente acima de tudo.

Toth tinha um profundo desejo de se aperfeiçoar, era um perfeccionista e crítico mordaz do próprio trabalho (e dos outros também). Seu estilo era sintético e sua lógica era a do menos é mais, onde tudo que entra no quadro tem um motivo para estar lá. Acho que a palavra que mais resume o que Toth fazia era FUNCIONAL. Toda escolha dele era refletida, tudo era pensado.

Kirby era energia.

Se a explosão de personagens e criatividade que a Marvel teve a partir de 1961 teve um ponto de partida, foi a parceria de Stan Lee E Jack Kirby. Já trabalhava com quadrinhos desde 36, já havia colaborado na criação do Capitão América e já havia visto o gênero dos super-heróis declinar depois da guerra.

Enquanto Toth era um artista no sentido mais completo da palavra, Kirby era um artesão. Era capaz de produzir 15 páginas de lápis por semana, o equivalente a 3 séries por mês. A abordagem dele era prática, queria produzir mais páginas para poder ganhar mais, o que não tirava do seu trabalho nem uma grama de criatividade. A parceria com Stan Lee era marcada por uma enorme liberdade dada pelo roteirista/editor, que fechava com Kirby uma ideia solta de roteiro e deixava que o desenhista desenvolvesse a arte sozinho, para só depois de pronto colocar o argumento, adaptando-se ao que havia sido desenhado. Talvez seja esse método que possibilitou a Kirby desenvolver o que acredito serem as páginas mais vigorosas e explosivas dos quadrinhos. O que se observa no trabalho de Kirby é que cada um dos quadros está igualmente prestes a saltar em direção ao leitor.

Qual o ponto de comparar os dois?

História em quadrinhos é uma forma de arte multidisciplinar. Roteiro, argumento, diagramação da página, diagramação dos quadros, anatomia, desenho, finalização, utilização de áreas de sombra e luz para criar profundidade, perspectiva; todo autor tem pontos fortes e pontos fracos, características que o seu trabalho ressalta e outras que ele só cumpre formalmente, dentro da média, até mesmo para equilibrar outros pontos de mais destaque. Como instrumentos musicais que têm que se equilibrar para que o todo não vire só barulho.

De certa forma, os trabalhos de Toth e Kirby estavam em extremos opostos do espectro. Toth era formal, lógico, eficiente. Kirby era expressivo, energético e exagerado. Cada quadro de Toth era estudado com o objetivo de contar a história com eficiência. Cada quadro de Kirby era uma explosão de energia feita para envolver o leitor até o fim do gibi. Ambos eram muito bons, tinham um trabalho sensacional, e os dois entregavam HQs impressionantes e efetivas, que comunicavam a história com sucesso. Kirby era mais popular (se bem que a influência de Toth foi muito além das HQs), enquanto o trabalho de Toth era muito admirado pelos próprios colegas.

HQ é uma forma de arte flexível, que aceita o uso de abordagens completamente diferentes e ainda assim gera resultados interessantes. HQ não é engenharia, em que o número de soluções para um problema é limitado pela lógica e pela logística. É a forma como você mistura os diversos ingredientes.

Tem que treinar muito, ter conhecimento das técnica. Mas, no fundo no fundo, HQ, você faz do seu jeito.

LINKS
Toth:
http://www.tothfans.com/glist.php?action=all&type=new
http://www.comicartville.com/tothgallery.htm
http://www.animationarchive.org/labels/Alex%20Toth.html
http://www.collectingfool.com/tothgallery.html
http://www.comicartcommunity.com/gallery/categories.php?cat_id=154&sessionid=838bacfeef213514d40c521b4a95e527

Kirby:
http://whatifkirby.com/gallery/comic-art-listings
http://kirbymuseum.org/
http://www.youtube.com/watch?v=17eeZPl_Pgo
http://comicartcommunity.com/gallery/categories.php?cat_id=55&sessionid=e2c8352eb6c7601761efe4adff02b216
http://www.youtube.com/watch?v=17eeZPl_Pgo&feature=player_embedded

12 comentários:

  1. Gostei muito!!! Vida longa e próspera a sua coluna!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bem colocado, e ótimos exemplos! Vida longa à coluna, Danilo!

    ResponderExcluir
  3. Ótima coluna, Danilo. Espero ler mais nas próximas semanas.

    Foi muito legal você ter falado do Toth. Não sei se você viu circulando pela internet uma crítica bem dura que o Toth fez de umas páginas do Steve Rude. É uma ótima janela para entender o pensamento do cara, uma verdadeira aula.

    Pra quem não conhece, fale muito a leitura: http://www.conceptart.org/forums/showthread.php?p=1024328

    ResponderExcluir
  4. Achei um link onde dá pra ler com mais clareza e tem as respostas do Rude: http://www.illdave.com/comicbooks/history/toth-critiques-rude.htm

    ResponderExcluir
  5. Sensacional artigo, Danilo! E grande frase no fechamento! Parabéns!
    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. Estréia muito boa, Danilo!

    Esperarei pelas próximas, aqui no Quanta conversa.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom cara!Quem dera que outros autores tivessem essa visão.Aguardo as próximas,até!

    ResponderExcluir
  8. Grande Weberson!Afiadissimo no traço e no texto,muito bom!

    ResponderExcluir
  9. Gostei bastante do texto e concordo com seu ponto de vista. HQ é uma arte muito pessoal! =)

    ResponderExcluir
  10. Legal que as duas últimas edições da revista Mundo dos Super-Herõis, coincidentemente, trazem ambos artistas que foram mencionados no seu texto.
    Pra uma estréia de coluna, vc foi muito feliz na sua abordagem: contrapontos na arte. Fora outros pormenores que você citou muito bem.
    Acho bem legal a idéia de se discutir as grandes variações de técnicas e abordagens artísticas.
    Tanto Toth como Kirby exercem influência enorme na minha tentativa patética de ser artista.
    É inevitável. Eles estão presentes no inconsciente das pessoas que têm mais de 35 anos e são apaixonados por quadrinhos ou desenhos de TV.

    Aguardo a próxima coluna.

    Sucesso!

    http://barulhodigital.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Danilo, você me fez entender o motivo pelo qual eu tanto adorei "Os Novos Deuses" de Jack Kirby! Embora eu sempre priorize como referencia trabalhos mais na linha de Alex Toth, a forma de Kirby conduzir uma história era vigorosa!
    Energia!

    ResponderExcluir
  12. Muito obrigado a todos que comentaram! Valeu, fico feliz com o resultado que a minha singela coluna está tendo, e podem contar que todo mês tem mais!

    ResponderExcluir