Banners

segunda-feira, 11 de junho de 2012

LANÇAMENTO NA QUANTA: NOITE NA TAVERNA em QUADRINHOS

“Agora ouvi-me, senhores! Entre um brinde e uma baforada de fumaça, o que nos cabe é contar uma história sanguinolenta, um daqueles contos fantásticos.” 


Em uma taverna no distante século XIX, cinco amigos narra suas histórias de amor. Mas não espere encontrar aqui inocentes: as paixões de Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann são tão intensas quanto insanas. No passado, ainda jovens e inconsequentes, eles macularam suas vidas com as mais diversas infâmias e perversões, atos que nunca puderam esquecer e que nos são revelados em contos assustadores. 




Chega às livrarias mais um lançamento da série Clássicos Brasileiros em HQ, da Editora Ática: a adaptação para os quadrinhos de Noite na taverna, de Álvares de Azevedo que será lançada na QUANTA ACADEMIA, no dia 23 de junho à partir das 18h.

 Publicada em 1855, a novela gótica Noite na taverna inaugura a breve e relevante produção de Álvares de Azevedo, morto tragicamente aos 20 anos, antes mesmo de ver seu primeiro livro impresso. No enredo, cinco amigos decidem narrar suas desventuras amorosas, histórias mórbidas que revelam a faceta mais sombria do autor ultrarromântico, melancólico e fascinado pela morte.

Para imprimir na adaptação o clima soturno do clássico, foram convidados artistas que fizeram a história das HQs de horror brasileiras. Dentre eles, destaca-se Rodolfo Zalla, criador da extinta Editora D-Arte, que publicava diversas revistas do gênero – algumas com mais de 120 edições – e também trabalhos inéditos de quadrinistas como Rubens Cordeiro e Sebastião Seabra. Colegas de trabalho e antigos colaboradores se reúnem mais uma vez em um projeto comum, uma homenagem ao gênero horror, aos grandes artistas que fizeram parte dele e a Álvares de Azevedo, que o trabalhou com maestria em sua prosa.

A adaptação de Noite na Taverna foi feita de maneira a seguir a atmosfera das revistas Mestres do Terror e Calafrio, publicadas pela Editora D-Arte. A despeito dos diferentes estilos dos seis artistas que compõe a equipe, as ilustrações em preto e branco e a aura de horror garantem à HQ a unidade visual necessária para que componha uma obra coesa. O roteirista Reinaldo Seriacopi se preocupou em preservar o texto e o clima do clássico na passagem de prosa para quadrinhos, reforçando as intenções do autor. O resultado é uma obra apaixonante.






Os autores 
Reinaldo Seriacopi (1967) é escritor e editor, formado em jornalismo e letras. Foi diretor de redação do portal Klickeducação e editor do Almanaque Abril. Escreveu livros institucionais, roteiro para cinema e um romance juvenil – Sherlocks os the rocks nas Diretas Já –, em parceria com José Arrabal. Esta é sua primeira adaptação de um texto literário para HQ.

Arthur Garcia (1963) Aos 17 já desenhava histórias para a revista Zorro, Capa e Espada, sob a tutela de Franco de Rosa. Formou-se em Educação Artística e viveu em Portugal, onde, em 1990, recebeu o prêmio Mosquito do Clube Português de Banda Desenhada de melhor desenhista de quadrinhos. Nesta década, destacou-se ao desenhar as versões oficiais em quadrinhos do seriado japonês Jaspion e do game Street Fighter. Ganhou o prêmio Ângelo Agostini em 1994 e 1995. É especialista no gênero mangá, e segue roteirizando e desenhando HQs como a graphic novel autoral Nosferatus.

Franco de Rosa Nasceu em 1956, aos 15 anos criou com um amigo a fanzine Frama. É desenhista autodidata e produziu HQs para editoras especializadas, com destaque para as revistas Klik, Gripho e Zorro, Capa e Espada. Foi cofundador das editoras de quadrinhos Mythos e Opera Graphica. Hoje, além de desenhar, comanda a Editora Kalaco.

Rodolfo Zalla Mesmo tendo nascido na Argentina, em 1930, é um ícone das HQs brasileiras. Formado em Arquitetura, iniciou carreira em seu país de origem em 1953. Chegou ao Brasil dez anos depois, e começou a desenhar para diversas editoras nos mais variados gêneros. Em 1967, fundou o Estúdio D-Arte com Eugênio Colonnese. Transformado em editora, a D-Arte lançou os títulos Calafrio e Mestres do Terror. Inovou ao iniciar, em 1970, o uso da linguagem dos quadrinhos em livros didáticos.

Rubens Cordeiro (1934) é um perfeccionista do traço e um mestre do estilo noir. Começou a trabalhar profissionalmente com quadrinhos nos anos 1960, criando histórias de horror e super-heróis. Nos anos 1970, com a repressão do regime militar ditatorial, passou a desenhar HQs infantojuvenis para a Editora Abril, com destaque para as histórias de Walt Disney para o personagem Zorro. Voltou ao gênero horror nas décadas de 1980 e 1990, quando foi colaborador regular das revistas Calafrio e Mestres do Terror.

Sebastião Seabra Nascido em 1958, começou a publicar a tira diária Capitão Caatinga, em parceria com Franco de Rosa, no jornal Notícias Populares, em 1974. Publicou também a tira cômica Chucrutz. Em 1979, desenhou para a revista Zorro, Capa e Espada. Na década de 1980, fez trabalhos publicitários, ilustrou livros didáticos e desenhou charges políticas e caricaturas. Em 1986, recebeu o prêmio Ângelo Agostini de melhor desenhista. Na década seguinte, criou seu personagem mais conhecido, o Vingador Mascarado.

Walmir Amaral (1939) Desenhista autodidata, quando pequeno lia avidamente as revistas Gibi e Globo Juvenil, nas quais conheceu as histórias do Fantasma, personagem que o consolidaria como roteirista e desenhista de HQs. O próprio criador do Fantasma, Lee Falk, elogiou o belo traço de Walmir, que desenhou o personagem até o final da década de 1980 – trabalho pelo qual é até hoje reconhecido no Brasil e no exterior. Nos anos 1960, realizou uma série histórica de faroeste chamada O Vingador. Nos anos 1970, também ilustrou a revista Zorro da Editora Abril. Em 1997, recebeu o prêmio Ângelo Agostini.

Álvares de Azevedo Nascido em 1831, em São Paulo, era poeta, contista, dramaturgo e ensaísta e foi um dos principais escritores brasileiros da segunda geração do romantismo. Em suas obras predominam a melancolia, o pessimismo e o tédio. Por outro lado, contribuiu para introduzir o humor, a ironia e o sarcasmo na poesia brasileira. Estudou na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, mas não chegou a concluir o curso. Apesar da saúde frágil, sua morte trágica aos 20 anos ocorreu em virtude de um acidente: uma queda de cavalo. Ironicamente, a equitação havia sido uma recomendação médica para o tratamento de sua tuberculose.

Noite na taverna 
Série: Clássicos Brasileiros em HQ 
Original: Álvares de Azevedo 
Roteiro: Reinaldo Seriacopi 
Arte: Arthur Garcia, Franco de Rosa, Rodolfo Zalla, Rubens Cordeiro, Sebastião Seabra, Walmir Amaral ISBN: 978 85 08 14872-1 
Formato: 19 x 26 cm 
Páginas: 96

Um comentário: